Dia: fevereiro 14, 2018

Alguns dos nossos cases mais recentes

Quase vinte anos de casos de sucesso. Veja o um resumo de nossos sucessos recentes:

 

  • CABEAMENTO ESTRUTURADO E ORGANIZAÇÃO DO RACK:

Só nos últimos meses, fizemos esse trabalho

para a Acim (Associaçao Comercial e Industrial de Maringá);  Grupo G10; Descarbox; Euphoria e a Clínica Dermatoclin.

 

2-SEGURANÇA DIGITAL

Instalamos  uma solução personalizada de firewall na Genko e na  Facmaster.

 

3- OUTSOURCING

Fechamos um contrato de Outsourcing, que inclui a assistência de um técnico full time na Euphoria; Maquira e Laboratório Santo Antonio.

 

4-INFRAESTRUTURA DAS REDES LÓGICA

Fizemos a infraestrutura das Redes Lógica e Elétrica. Cabeamento e montagem de rack na Aurora Alimentos; Frimesa; Agrex do Brasil; Minorgan; Clichetec e na  Sulferraço.

  

5- COMUNICAÇÃO

Estabilizamos a comunicação implantando fibra óptica na Gelita  e na Planti Center.

 

6- SEGURANÇA

Implantamos a infraestrura para câmeras de vigilância, no Condominio Renaiscence e no

Residencial La Première, onde também fizemos automação e controle de acesso.

 

Anúncios

Confira as principais normas de cabeamento estruturado

A principal padronização é regida pela  Telecommunications Industry Association (TIA) e pela Eletronic Industries Alliance (EIA).

As normas mais comuns são:

– ANSI/TIA/EIA-568-A/B (para crimpagem dos cabos).

– ANSI/TIA/EIA-569-A (Infra-estrutura utilizada principalmente por engenheiros civis e arquitetos).

– ANSI/EIA/TIA-570-A (Cabeamento pequenos Escritórios e Residência SOHO).

– ANSI/TIA/EIA-606 (Administração e Identificação).

– ANSI/TIA/EIA-607 (Aterramento em Telecomunicações).

Além de alguns TSBs (Telecommunications Systems Bulletin):

– TSB67 (Testes realizados em campo no cabeamento UTP).

– TSB72 (Cabeamento óptico centralizado).

– TSB75 (Práticas do cabeamento por zonas – Zone Wiring).

– TSB95 (Diretrizes adicionais da performance de transmissão do cabeamento UTP 4P Cat. 5).

No Brasil a norma oficial é a NBR 14565 da ABNT baseada na EIA/TIA 568-A, alterada (novembro/ dezembro de 2002) passando ser baseada na EIA/TIA 568B.                                                             Essa norma categoriza o sistema de cabeamento a partir da largura de banda, comprimento, atenuação e desempenho desse tipo de tecnologia. A norma ISO é outro procedimento que garante a padronização de cabos, conectores e procedimento como um todo.